Sinopse

"Neste espaço encontra-se reunida uma coletânea dos melhores textos, imagens e gráficos sobre o futebol, criteriosamente selecionados e com o objetivo de contribuir para a informação, pesquisa, conhecimento e divulgação deste esporte, considerando seu aspecto multidisciplinar. A escolha do conteúdo, bem como o aspecto de intertextualidade e/ou dialogismo - em suas diversas abordagens - que possa ser observado, são de responsabilidade do comentarista e analista esportivo Benê Lima."

terça-feira, fevereiro 06, 2018

Futebol Feminino: Uma versão não contada da realidade



VERDADES A BEM DA JUSTIÇA

Quando se fala em Caucaia Esporte Clube, isso parece remeter as pessoas a uma questão política mal resolvida. E não é bem assim. 

Independente da má condução desse processo, a entidade privada referenciada já contou sim com o apoio governamental no próprio município em que é sediada, já tendo inclusive o Estádio Municipal Raimundo de Oliveira como sua sede por alguns anos. 

Só na gestão do prefeito Washington Gois, podemos contabilizar três convênios com a agremiação, nos anos de 2009, 2010 e 2011, totalizando um montante ao redor de R$ 682 mil, desdobrados em R$ 182 mil em 2009, R$ 250 mil em 2010 e outros R$ 250 mil em 2011. 

Portanto, vale a pergunta, como tarefa de gincana: Que outro município no Brasil, realizou algo igual ou maior?

Todo governo, ora por razões predominantemente políticas, ora por razões de desempenho administrativo de seus beneficiários, tem o direito de avaliar a aplicação de seus recursos, seja por seus gestores seja por esses beneficiários, lançando mão da prerrogativa de dar novo direcionamento para a alocação desses recursos. 

Nada mais natural.

segunda-feira, fevereiro 05, 2018

Entrevista do mês: Fernando Diniz avisa que dá mais trabalho ter a bola, elogia Premier League e quer lado humano mais valorizado no futebol: 'Uma pessoa melhor é um jogador melhor"

Fernando Diniz assumiu o Atlético-PR neste início de temporada
Fernando Diniz assumiu o Atlético-PR neste início de temporada

Quando Fernando Diniz e o seu ousado Audax debutaram no Campeonato Paulista, a primeira sensação para quem acompanhava o estadual daquela época era de estranheza. "Mas como assim esse time não dá chutão?", todos se perguntavam. Pixotadas dos goleiros, erros na saída de bola, entregadas que custavam derrotas... O ano foi o de 2014 e nem para a segunda fase do Paulistão os "malucos de Osasco" conseguiram ir. O resultado, definitivamente, não veio. Mas veio o mais importante: o debate.
A discussão sobre o tipo de futebol desenvolvido por um grupo de atletas que, em sua maioria, haviam passado por diversos clubes e nunca haviam brilhado no cenário nacional, foi impactante. Seu treinador, ainda em começo de carreira, sonhava alto quando colocava um futebol de muita troca de passes, mudança de posições e jogos duros contra os grandes da capital. A gente mal sabia o que estava por vir.  Dois anos depois, uma final de igual para igual com o Santos. 
Ex-jogador profissional, Fernando Diniz passou por Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Fluminense... Ganhou títulos pela maioria destes grandes clubes. Esteve no topo. Mas existe algo que o deixa mais feliz atualmente: ajudar outros  jogadores chegarem no topo. Tchê Tchê (Palmeiras) e Camacho (Corinthians), campeões brasileiros nos últimos dois anos, são exemplos e motivos de orgulho para o atual treinador do Atlético-PR.
Neste entrevista exclusiva ao blog, dias antes de sua estreia pelo Atlético-PR (0x0 com o Caxias, pela Copa do Brasil) Diniz bate muito na tecla do lado humano do esporte mais visto do mundo.  Diz usar sua formação em psicologia e luta para fazer de seus jogadores pessoas melhores. Ele ainda fala da qualidade do futebol brasileiro, sobre os pilares de seus trabalhos no futebol e mostra expectativas com o Furacão para 2018.
Ele ainda fala em resgatar a essência do futebol brasileiro, da importância do goleiro dentro do seu modelo de jogo e fala quais ligas e times do mundo gosta de assistir quando sobra um pouco de tempo entre os jogos e treinos que participa. Na íntegra você confere essa longa conversa só sobre futebol:

Depois de alguns anos de trabalho em um só clube (teve uma rápida passagem pelo Guarani), como tem sido seu início no Atlético-PR? Como você tem usado toda a estrutura que o clube te oferece?
Está sendo ótimo. De fato a estrutura é algo assim que só dá para falar quem vê. Mesmo sabendo que existe aqui uma estrutura muito boa, quando você chega acaba se surpreendendo positivamente. E isso é ótimo. Mas mais que a estrutura tenho profissionais aqui para me dar apoio que são de muita qualidade. Então nesse aspecto tem sido muito positiva a experiência. É acima do que eu imaginava.   
O que te fez ir para o Atlético-PR? Foi uma situação diferente na sua carreira. Você ficou anos no Audax e rejeitou ofertas por acreditar em um projeto e agora deixou o Guarani muito rapidamente. Algo mudou para você adotar uma outra medida neste caso recente?
A questão é que o meu acordo moral e ético com o Guarani eu cumpri da mesma forma que o fiz com o Seu Mário Teixeira (homem forte por trás do Osasco Audax). Eu deixei claro textualmente que eu não poderia mais deixar passar oportunidades como aconteceu quando eu estava no Audax. Disse que, se aparecesse alguma proposta de um time grande da Série A, provavelmente eu sairia. Sinceramente eu não acreditava que isso ia acontecer tão cedo. E nem o pessoal do Guarani. Foi uma coisa de comum acordo. Eles também falaram que não iriam me brecar. Então eu cumpri minha palavra com o Seu Mário no Audax e cumpri também no Guarani. São situações diferentes. Achei que era o momento, que era uma oportunidade grande. Eu tinha que aproveitar. Acima da estrutura que o Atlético-PR oferece, o que me trouxe para cá foi uma conversa muito significativa com o Seu Mario Celso Petraglia (CEO do clube paranaense). A gente teve uma grande afinidade de ideias. Parecia que a gente já se conhecia. Foi determinante para minha vinda. Me senti super confortável e confiante, vi uma sincronia de pensamentos. Isso me fez aceitar o desafio. Tenho convicção que fiz uma escolha certa.

Fernando Diniz chegou a assumir o Guarani meses atrás, mas teve passagem relâmpago
Fernando Diniz chegou a assumir o Guarani meses atrás, mas teve passagem relâmpago

Neste início de trabalho com os atletas o que você tem tentado mais desenvolver nos treinamentos? O que mais tem cobrado dos jogadores?
Eu tenho trabalhado com três pilares que eu acho fundamentais para um treinador de futebol. A primeira situação a pensar é na formação de um bom ambiente facilitador para que as relações humanas ocorram de maneira positiva. A segunda é muito trabalho tático. É preciso apostar nisso. E tem uma terceira coisa que também é muito importante, buscar sempre intensidade nos treinamentos. Na verdade, são estes três componentes que me acompanham em tudo que eu faço no futebol. O eixo central do trabalho está apoiado nestas três questões. Em termos táticos a gente treina exaustivamente a saída de bola, que é uma característica marcante das equipes que eu dirijo. É algo que a margem de erro tem que ser pequena, então é uma coisa que a gente tem que sempre trabalhar. As questões de compactação também. Temos que ter um time sempre próximo em qualquer setor do campo. São abordagens que sempre trabalho. E isso não depende de ser começo ou um estágio mais avançado do trabalho, são situações que a gente precisa sempre estar alinhados. Outra coisa que treinamos muito é como se comportar marcando em linha alta, média ou baixa. Depois disso, caminhamos mais para coisas mais específicas. Ainda não conseguimos trabalhar bola parada, mas teremos que fazer. Encaixe de marcação, ajustes, movimentações no último terço, como vamos elaborá-las... Tem que ser um passo de cada vez. 
Sua forma de jogar exige muita intensidade dos atletas, principalmente nas reações pós-perda da posse. Como você enxerga o estágio do Brasil neste sentido? Tem a impressão de que o jogo por aqui é mais lento? Claro que não devemos comparar isso com as maiores ligas do mundo, com a Premier League. Mas por que acha que estamos tão abaixo?
Eu acho que temos que aproveitar as características dos nossos jogadores. Quando um deles vai para fora, você o introduz em um todo, então facilita para ele se adaptar e passar a ter comportamentos que aqui não temos. Aqui não temos uma cultura enraizada sobre esses conceitos. O que temos aqui, se você for ver na prática do nosso jogo, olhando para os últimos campeonatos, está todo mundo jogando em transição. Ninguém quer a bola. Todo mundo tenta se defender bem para usar o contra-ataque para vencer os jogos. Sempre na transição defesa-ataque. E para quem joga dessa forma, não tem necessidade de treinar reações pós-perda. Não tem porque estimular esse tipo de intensidade. Então esse tipo de situação tem a ver com o tipo de modelo que você quer implantar. Para a maneira que eu gosto que minhas equipes joguem, esse tipo de conceito é muito importante. Velocidade no passe, no movimento e na reação pós-perda. Para mim a intensidade é muito importante. Para quem prefere "expor menos o time" - e digo isso entre aspas mesmo -, não é algo tão preponderante assim. 
Você percebe que no Brasil a gente absorveu muito conceitos de defesa, de controlar espaço e de jogar sem a bola nos últimos anos e que isso influencia na nossa maneira de jogar? O brasileiro acredita muito que organização tem a ver com defender, e sabemos que não é só isso. Não acha que é o momento de a gente dar um passo à frente na organização ofensiva também? Acha que falta conteúdo no nosso futebol neste sentido?
Eu não sei porque as pessoas acham tanto que organização no futebol serve só para defender. Claro que se organizar na fase defensiva é muito mais fácil do que quando você tem a bola. Dá muito trabalho ter a bola. Você tem que criar espaços, enfrentar linhas mais baixas... Quando isso acontece, você acaba se expondo mais. E no Brasil isso é ir contra a norma. Existe uma preferência para todos jogarem de uma forma mais conservadora. Você se protege melhor. Eu acredito que dois pilares fazem o futebol brasileiro caminhar para trás. A cultura do povo é de gente leve, a matéria prima ainda tem jogadores mais ousados, verticais, com bom drible, que sabem jogar com aproximação, serem criativos... E isso está na cultura do nosso povo. Os jogadores do futebol brasileiro, de uma forma mais geral, são oriundos de famílias menos favorecidas financeiramente. São caras que passam muito tempo na rua praticando futebol sem nenhuma inibição pois não tem um adulto monitorando as regras do jogo. Então a gente tem esse tipo de atleta e a gente está colocando ele para praticar um jogo com prioritariamente organização defensiva. Você precisa criar espaço para estimular a criatividade do jogador. E aí ele não cumpre de maneira satisfatória esses quesitos. O menino sonha ser jogador para jogar futebol. Não é porque ele quer marcar e jogar em transição. Isso é a contramão do que, principalmente o jogador brasileiro, sonha fazer quando é garoto. Avaliando de uma maneira mais profunda, eu tento, no geral, resgatar esse lado lúdico. Tentar trazer de volta o prazer que todo mundo teve de jogar futebol um dia. Todos estes jogadores já foram o melhor da escola ou da rua. Então se cria estruturas que favoreçam estes comportamentos para um jogo bem jogado. Sempre pensando em ter um time mais competitivo.
Muito se fala que o drible sumiu no futebol brasileiro. Muita gente sente falta disso, inclusive. Temos uma cultura forte de que devemos jogar a bola no melhor do time para que ele resolve sozinho, são situações criadas desde a base. Hoje se controla muito bem os espaços, se faz linhas de cobertura... Qual é o caminho para resgatar isso? A palavra não seria condicionar os jogadores a isso? Criar situações para este tipo de enfrentamento?
É condicionar, sem dúvida. Uma das coisas mais difíceis de ser feitas é você entrar na cabeça do jogador, na alma dele... Aquele atleta que tem o 1x1, que tem muita qualidade técnica. Fazer ele entender que o coletivo favorece as qualidades dele, que ajuda na sua criatividade. E não o contrário. O jogador precisa ser coletivo para participar do jogo de uma maneira relevante. Com isso ele terá mais espaço. Por fazer parte do todo. Neste momento ele vai ter a situação de 1x1. E para isso é preciso ter articulação, ter movimentos pré-estabelecidos... Não é uma receita de bolo. Você tem que criar estes movimentos, trabalhar padrões que favoreçam tanto o jogador mais técnico, com qualidades de enfrentamento, quanto aquele que prefere um jogo mais de aproximação. E isso dá trabalho, não é simples. Não vão ser 40 minutos de treinamento que vão gerar estas situações. Eu não acredito nisso. Os jogadores não vão se sentir confortáveis para estas coisas. De uma aproximação, de uma tabela com infiltração... Não é fácil, mas tem gente que faz isso muito bem no mundo. Tem outros que já não ligam muito para isso, preferem jogar em transição. Vai do gosto de cada treinador, do que acredita como futebol. Para mim o futebol só faz sentido desde que estes componentes estejam na prática do jogo. Não se trata de um jogo que você joga apenas pelo resultado, existem maneiras de você buscar uma vitória e eu acredito que a estética, o jogo bem jogado, intensidade e construção coletiva te colocam mais perto de ganhar um jogo. Eu não acredito que jogar em transição, mais fechado, te deixa mais perto da vitória. Eu não acredito nisso. Se você o faz bem, tem suas chances. Mas se você reage bem a perda da bola, se criar movimentos em sincronia e ataca espaços você tem maiores chances de levar o jogo. Tenho isso comigo. Não estou criticando quem ganha com linha mais baixa, esperando uma ou duas bolas para fazer o gol... Mas existe uma distorção destes conceitos. E mundo está aí para mostrar que não precisa ser assim. A Seleção de 82, quando não ganhou, criou-se uma distorção de pensamento que se o Brasil jogasse de maneira mais defensiva, teria maiores chances de ganhar a Copa. E para mim isso não faz sentido. A chance que aquela equipe foi muito maior daquela forma.  
Você bateu muito na tecla de que não é algo simples chegar em um nível de organização ofensiva mais aprofundado e o tempo está muito ligado a isso. No Audax você teve bastante respaldo para desenvolver estes conceitos durante anos. Acha que a realidade no Atlético-PR vai ser a mesma? Acredita que terá tempo?

É difícil fazer uma análise exata disso. Meu maior trabalho no Audax foi convencer os jogadores de que a gente podia jogar de igual contra equipes de maior expressão. E jogar até melhor, inclusive. E tudo isso levou um tempo realmente. Mas se a gente olhar para o meu início de trabalho lá ele foi bom. Não fiquei lá porque fui fazendo coisas erradas e ganhando tempo para consertar. Não acho que um treinador precise de 3 ou 4 anos para desenvolver um trabalho. Logo de cara a gente subiu da A2 para a A1 (do Campeonato Paulista). E batemos recordes de pontuação na competição. E para este primeiro time eu treinei uns 10 dias só. Claro que eu fiquei e as coisas foram evoluindo com o tempo. Em 2014 fizemos um primeiro jogo contra o Santos, que chamou a atenção das pessoas. Conseguimos um grande amadurecimento tático. Mas também uma evolução individual e coletiva dos jogadores, eles passaram a se sentir capazes de enfrentar grandes adversários. Sem dúvida foi o mais difícil. Tinha muitos jogos que a gente acabava jogando bem contra times grandes, mas por um erro muito infantil, acabava dando tudo errado. Teve um jogo no Morumbi, nosso primeiro tempo muito bom contra o São Paulo, mas por conta de uma expulsão e várias desatenções, tomamos uma série de gols. O tempo serviu muito para amadurecer a equipe. Fomos fazendo correções, criando alternativas... Quando eu peguei o grupo do Audax, a maioria dos jogadores vinham de insucessos na carreira. Então também foi um trabalho de resgatar a confiança deles. De criar um ambiente facilitador para que a comunicação entre eles fosse positiva. Foi um processo longo, que durou anos. No terceiro Campeonato Paulista juntos eles atingiram o nível máximo. 
Fernando Diniz durante final do Paulista entre Audax e Santos
Fernando Diniz durante final do Paulista entre Audax e Santos
Sabemos que você estudou e se formou em psicologia. Nas suas abordagens sobre futebol você sempre bate muito na tecla também de questões humanas, de entender a pessoa naquele atleta. Como você usa esse conhecimento que você adquiriu durante sua vida?
Eu fui jogador antes de ser treinador. A impressão que tenho é muito clara para mim. Tive uma boa carreira, joguei em times grandes. E eu sentia que faltava muito esse contato mais humano. O jogador é tratado como um robô, como uma coisa qualquer. Eu vi muito isso durante meus anos como atleta. Quando um cara jogava bem, ele era tratado como uma pessoa muito legal. Mesmo, em muitas vezes, ele não sendo uma pessoa lá muito legal. Às vezes era um cara que na parte humana deixava bastante a desejar. Aí o cara que trabalhava duro, que tentava fazer seu melhor, buscava as coisas, mas vivia um momento ruim, era quase sempre destratado. Era visto como uma pessoa menor. E esse tipo de distorção sempre me incomodou, me marcava muito. E eu sei que isso continua acontecendo. Não acho que seja a maneira mais correta de conduzir um time de futebol. As pessoas precisam ser respeitadas, você tem que procurar facilitar para que as pessoas se encontrem e sintam prazer de estar ali naquele ambiente. É algo que busco promover isso o máximo que consigo. Para mim uma pessoa melhor é um jogador melhor. Todos têm suas angústias, seus medos. E quando a gente consegue oferecer algo que as pessoas consigam superar os desafios, você acaba tendo um jogador melhor.
Muitos questionam um pouco a relação de cobrança que você tem com seus atletas. De uma dura mais ríspida, uma chamada de atenção... Te chateia este tipo de comentário? Você acha que teve algum exagero durante sua carreira?
A verdade é que, quem nunca trabalhou comigo e não conhece quase nada do meu trabalho, que não conviveu comigo, não me conhece. Claro que você não agrada todo mundo, mas se você ver a minha aceitação é muito grande. E falo isso vendo as relações que tenho com os jogadores. A minha maneira de ver o futebol e de me relacionar com os atletas se mistura muito. Eu exijo muito. E faço isso porque quero o melhor para eles. Eles vão parar de jogar bola em algum momento e se eles não souberem aproveitar o agora, eles podem ter muitas dificuldades lá na frente. Eu não quero isso para nenhum deles. Às vezes o cara não tem muita consciência disso. Minhas cobranças vão muito em cima disso. De mostrar para os caras, de não admitir que eles estejam jogando uma parte da vida deles fora. Eu quero que eles joguem um grande futebol, que cheguem a grandes equipes, que ganhem títulos... Que vivam o melhor do futebol. Para que saiba usufruir, que guardem sua grana, que cuidem bem de suas famílias... Quando a carreira deles acaba, sabemos que eles vão viver pelo Estado, e sabemos que o Estado é falido. A escola é ruim, a saúde é ruim, a segurança é ruim... Esse lado está muito impregnado em mim. Nunca neguei isso. Claro que a gente precisa fazer ajustes o tempo todo. Você precisa melhorar, e eu estou procurando isso. Estou atento neste sentido, de buscar outras alternativas, achar outras formas de tirar o melhor de cada jogador. Mas essencialmente o meu movimento é sempre para beneficiar o atleta. Tenho respostas claras destes jogadores que tive convivência. De mensagens que recebo até hoje, de como falam de mim para outras pessoas. Em sua maioria eu tenho convicção que essa aceitação é grande. E o que eu ajudei a promover na vida deles me preenche muito. Me satisfaz. É algo muito verdadeiro em mim essa vontade de ajudar. Isso emana em mim de uma forma muito intensa. Claro que eu tenho que corrigir exageros que em alguns momentos existiram. Mas quando eu os fiz sempre foi com a melhor intenção possível. Tive muitas conversas com meus atletas, de saber o que incomoda neles, tentar entender porque aquela pessoa é daquele jeito, tentar entender o passado que eles trazem, como foi a construção existencial de cada um... Às vezes as pessoas enxergam aquele pedacinho, mas ele é só a ponta do iceberg. Mas ninguém quer saber do todo. Vai lá perguntar para o Tchê Tchê (Palmeiras) do quanto eu cobrei ele, como foi nossa evolução. Cada um ver o que quer nestes momentos. Às vezes aquele pouco que você perde da normalidade, aquele pouquinho, vira um estardalhaço. Mas existem muito mais coisas por trás. E no futebol as pessoas não costumam valorizar isso. Se dá muita importância à parte tática, e eu valorizo isso, trabalho de forma exaustiva o que quero jogar, fase de construção, é só ver os jogos dos meus times, mas ali por trás tem pessoas. É um todo e uma construção constante de vários aspectos. Temos caminhos ainda pouco percorridos no futebol. É preciso ter coragem. 
Quando olhamos para suas equipes chama muito a atenção o papel do goleiro dentro do modelo de jogo que você busca. Como tem sido aí no Atlético-PR? Você vai buscar alguém de fora? Dá para trabalhar a evolução do goleiro com os pés ou é algo que ele já trás da base?
Se você tem um goleiro que já tem um jogo com os pés mais elaborado, facilita muito. Realmente é algo que facilita muito a forma como eu gosto de jogar. A parte técnica, física e tática é bastante complexa. Tem goleiros que não tem tanta qualidade com o pé, mas sabem tomar as melhores decisões. Até por entender suas limitações. O goleiro não precisa ser um craque com o pé para jogar comigo. O Sidão, quando cheguei ao Audax, não tinha quase nada de trabalho com os pés. Mas foi se desenvolvendo. Tanto que foi para o Botafogo e agora no São Paulo também por conta de ter qualidade com os pés. Acho que muita coisa o goleiro pode melhorar com treinamento. E aqui no Atlético-PR tem uma escola excelente de goleiros. Tem uma nova geração sendo formada aqui por grandes profissionais. Encontrei bons goleiros aqui. Mas quando a gente encontra algum que já entende o sistema, tem essa facilidade a mais, ajuda. Mas não que seja uma coisa que vai se definir sozinha. Ele só não pode ser horroroso neste sentido. Que não tem nada de qualidade, que não tem margem de evolução. Realmente eu uso bastante. De maneira geral eu acho que todos os goleiros, se bem trabalhados, tem o que evoluir.
No Brasil existe muito uma discussão sobre treinamentos fechados. Qual sua opinião quanto a isso? É de fato relevante fechar uma atividade para a imprensa?
Não tenho uma opinião totalmente formada quanto a isso. A imprensa faz parte do futebol. Quando você não fala, não dá uma entrevista, vai se construir coisas em cima do que não se ouviu. Obrigar o profissional a caçar informações. Tanto que a gente lê coisas e escuta na televisão coisas que não correspondem à realidade. Então fica uma coisa meio chata. Mas tem momentos que eu acho que precisa ter privacidade. Um treino tático mais importante, por exemplo, você precisa estar mais fechado. Como você vai abrir isso? Você não conhece as pessoas que estão ali naquele ambiente. Acho importante neste momento ter só as pessoas envolvidas no processo. Ali estão suas ideias de jogo, suas estratégias... Tem treinos que não tem problema você mostrar. Mas tem situações que é importante você estar ali sozinho.
Uma pergunta que sempre faço aos treinadores é sobre a discussão do "velho vs novo", do "boleiro vs acadêmico"... Acha que é uma questão que enriquece o debate sobre o nosso futebol?
Eu acredito muito em vocação. E a pessoa precisa disso trabalhar no futebol. Tem gente que nunca jogou futebol, mas tem sensibilidade para ser treinador. Consegue ter uma percepção diferente, entender os jogadores... Eu tive a sorte de ter trabalhado, principalmente na base, com gente que aprendi muita coisa. E a grande parte dessas pessoas nunca tinha jogado futebol profissionalmente. Evolui pra caramba com esses caras! Tive treinadores que me marcaram muito, caso do Oswaldo de Oliveira. E ele nunca foi atleta. Eu nunca passei por estes preconceitos, tive sorte por isso. Acho que existe espaço para todo mundo. Existe preconceito de ambas as partes e isso não pode existir. Acima de tudo o futebol precisa de gente bem preparada. Que tenha vocação, mas que também se capacite para isso. E vale para qualquer função no futebol. Estudar todo mundo tem que estudar, não tem jeito. Estou percebendo que os ex-jogadores estão buscando isso de uns tempos para cá. E tem essa galera que vem da academia, que estuda bastante, que mostram bons trabalhos... É aliar o conhecimento de todos para um bem maior. No geral é uma discussão que não faz sentido. Que vença o time das melhores ideias, do protagonismo delas. Eu quero ver a ponta final, que é como o time destes treinadores joga. Não interessa se é acadêmico ou ex-jogador e sim o que vai ser apresentado dentro de campo. Temos que discutir a prática. Joga bem, corresponde? A ideia por trás daquele modelo é bem executada? O que interessa o que o time produz em campo. A discussão é essa. O mundo é das pessoas que fazem, não das pessoas que falam. A teoria só serve se for boa na prática. E isso vale para qualquer área da vida. O futebol precisa criar encantamento em quem assiste. Isso é importante, acima de tudo.
Fernando Diniz durante treino do Audax
Fernando Diniz durante treino do Audax
Qual a importância hoje de o treinador ter uma boa comissão técnica? Você acha que a figura do treinador também tem mudado nos últimos anos? Principalmente na questão de centralizar menos as coisas nele e também saber delegar?
Realmente teve uma mudança. Para mim, por onde eu passei, sempre levei em conta o ambiente. No Atlético-PR eu fui acolhido da melhor maneira. E da mesma for eu também busco sempre acolher todo mundo. Eu procuro usar todo mundo no processo. Eu gosto de gente, gosto de conviver com as pessoas. Às vezes tem gente ao seu redor que está enxergando coisas que você não consegue ver. Então o treinador precisa estar aberto. Eu procuro sempre ouvir o maior número de pessoas possíveis. Claro que quando é possível, quando a situação pede. Sempre deixou claro que estou aberto a novas ideias e tento estimular as pessoas a serem criativas. Quero que pensem um pouco fora da caixinha. O que está aí já está aí, e a gente tem mais coisas para descobrir no futebol. Quando você consegue prover este tipo de sentimento, fazendo as pessoas se sentirem mais à vontade, elas acabam te ajudando mais. O que eu falei de criar um ambiente facilitador vale para os jogadores e também para os membros de comissão técnica. O trabalho que todo mundo faz pode ser melhor. Se ajudando, todos melhoram. Eu gosto deste contato próximo, que as pessoas tenham liberdade e confiança para poderem ousar. Que tentem coisas novas, que errem... Porque quando estamos imobilizados não saímos do lugar. E sempre temos um mundo novo para construir. Analista, fisiologista, preparador, nutricionista... Todos eles precisam ter liberdade para falar com o treinador. Sugerir coisas, buscar resoluções. Claro que é função do técnico tomar a decisão, somos pagos para isso. Mas eu estou sempre aberto a escutar tudo que as pessoas têm para falar. É importante deixar todos confortáveis para expor suas opiniões. Se você vai usar ou não é outra história. Posso achar que não é o melhor para a equipe, mas vou sempre respeitar e deixar esse canal aberto. É importante para ter um time forte também fora de campo. A gente precisa um do outro. 
Claro que o treinador brasileiro precisa estar sempre com olhar forte aqui no Brasil. Mas você acha importante também observar o que acontece fora do Brasil? Quais ligas e times você gosta de ver jogar?
Eu acho bastante importante se manter antenado com o que acontece lá fora. Eu trabalho com dois olhares. O meu principal é para o que eu estou praticando. Meu time, os adversários que terei pela frente. O que me sobra de tempo eu busco olhar para outros países. Gosto muito do futebol inglês. Gosto de ver as equipes que o Guardiola treina. Do Klopp. Gosto muito do Napoli que é treinado pelo Sarri. Defensivamente é uma ideia um pouco antagonista do que eu penso de futebol, mas gosto de ver o time do Simeone também. É importante você entender formas para se defender bem também. É muito interessante o que ele faz no Atlético de Madrid. Com seu estilo e com menos recursos ele conseguiu ser competitivo em alto nível, contra equipes muito mais poderosas. A gente tem que tirar o chapéu. Não que eu queira defender como defende o Simeone, mas é importante observar. De maneira geral acho que o futebol inglês está um pouco à frente. É um movimento que acontece de tempos em tempos. De um país que acaba tendo uma maior organização e mais recursos financeiros, conseguindo ter os melhores jogadores e técnicos. Ao logo do tempo acaba tendo mais incidência também nas categorias de base. O movimento que está acontecendo lá de um período para cá é bem interessante. Quando se investe muito e você leva os melhores jogadores, e consequentemente os melhores treinadores, isso tem impacto na formação de uma nova geração de jogadores. Eles vivem esse momento. Assim como a Itália já viveu, a Espanha... Outro que gosto de ver é o Sampaoli. Mas o que eu mais estudo mesmo são os meus times, no que precisa ajustar, melhorar, e os adversários.       
Mantendo a tradição das entrevistas que faço, eu sempre fecho com uma pergunta que sempre rende boas respostas. Até por elas serem bastante pessoais. O que é jogar bem para você?
Para mim jogar bem é ser competitivo, mas sempre que puder encantando que o assiste. É produzir coisas positivas em todo o processo que antecede o jogo em si. Ganhar e sentir prazer, dar prazer para quem joga e quem assiste. O futebol tem uma conexão muito forte com a minha vida. Eu quis jogar futebol porque os jogadores me encantavam, o jogo me trazia uma sensação única. Zico, Maradona, Romário, vídeos do Pelé... Para mim a essência do jogo é isso. É a arte, a beleza. Quando você consegue resgatar isso, você se torna muito mais competitivo. Ao resgatar a essência do jogo ele te dá uma ferramenta muito poderosa para ganhar. Jogar bem é construir um futebol coletivamente. Não adianta também colocar um monte de talentos e soltar a bola para eles resolverem. Já foi o tempo disso. Passou. É preciso ter uma amarração coletiva para se construir algo sólido. Ter a posse, terminar as jogadas com eficiência... Isso te exige o trabalho coletivo de forma gigantesca. É necessário construir muitas conexões entre os jogadores. E a parte humana entra de maneira sistemática nisso. Não é só o modelo de jogo, não é só a parte tática... Tudo precisa ser construído de maneira agregada. O futebol precisa ter algo mais. Não é só o resultado no final da partida, tem que ter um gosto, um sabor. As pessoas precisam gostar de ver o jogo.
Renato Rodrigues
Crédito: Renato Rodrigues

quinta-feira, fevereiro 01, 2018

Uma nova geração de jornalistas esportivos se dedica a pôr mais ciência no futebol brasileiro



Uma nova geração de jornalistas esportivos se dedica a pôr mais ciência 

no futebol brasileiro


Empolgação já não basta. Comentaristas usam cada vez mais estatísticas e termos técnicos para traduzir o que acontece em campo

RAFAEL OLIVEIRA

Não faltam adversidades para quem trabalha na cabine destinada às emissoras de televisão no estádio de São Januário, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Quatro pessoas já tornam o lugar apertado. O ar-condicionado, coberto por uma espessa camada de poeira, obviamente não funciona. O assento das cadeiras balança. Enquanto em campo o Vasco, dono da casa, e o Nova Iguaçu jogam uma partida lenta, cheia de erros e sem lances emocionantes, no seu espaço exíguo o comentarista Raphael Rezende, do SporTV, precisa driblar a pilastra que atrapalha a visibilidade da janela para manter o foco no campo e fazer seu trabalho.
Em seu laptop, Rezende organiza as escalações, os esquemas táticos, as contratações recentes e as mudanças em relação ao último jogo para dar informações aos telespectadores. Empenha-se em anotar a troca de posições dos jogadores quando estes não estão com a bola. “O espectador já não depende de mim. Se eu disser alguma barbaridade, ele me ridiculariza nas redes sociais e para de me ouvir”, diz. “Há muito conteúdo de qualidade na TV e na internet.” Contudo, sua intensa movimentação no teclado para traduzir o jogo e empolgar quem assiste não reflete o que acontece em campo. O jogo segue ruim de doer.

Rezende possui uma das quatro licenças oferecidas pelo curso de formação de treinadores oferecido pela Confederação Brasileira de Futebol, a CBF. Esta semana ele iniciará o processo para obter a segunda. Tem uma biblioteca de 100 volumes sobre futebol, com ênfase para os que tratam de tática. Como ele, diversos comentaristas de emissoras de rádio e televisão estudam o futebol e buscam compreendê-lo do ponto de vista estratégico, para injetar uma dose de razão na apaixonada relação que os une aos torcedores que os acompanham. A tendência que passou a dominar as cabines de imprensa pelos estádios do país valoriza a observação da movimentação coletiva dos jogadores, busca identificar padrões e se apoia em números de acertos e erros de passe, assistências em lances de gol, finalizações, roubadas de bola e número de faltas para traduzir o jogo.


VIDEOGAME  Jogos eletrônicos incorporam a evolução tática do futebol e são treinamento para novas gerações (Foto: Reprodução)
Por tradição, a tarefa de comentar uma partida de futebol sempre foi o oposto disso. A “crônica esportiva” pontificada por lendas como Nelson Rodrigues e Armando Nogueira, entre muitos outros, evocava heróis em campo e fazia da genialidade individual, do empenho coletivo e do imponderável instituições que comandavam o jogo. O belo texto valia tanto quanto – ou mais – que a observação de treinos e jogos. “O padrão para falar de futebol no Brasil costumava abordar aspectos como a qualidade individual do jogador e fatores emocionais”, afirma Carlos Eduardo Mansur, do jornal O Globo, que se especializou em análise de desempenho pela academia da Confederação Brasileira de Futebol, a CBF. “O desafio hoje é estudar o jogo taticamente.” Não havia no passado, obviamente, a ideia nem os recursos técnicos para compilar dados, que hoje sustentam as análises feitas durante os 90 minutos.
O uso de softwares que ajudam a dissecar partidas em números se difundiu nos clubes e transbordou para as redações. Crescem grupos dedicados à tabulação e análise de dados. Como acontece no beisebol e no basquete nos Estados Unidos, estatísticas individuais e coletivas, como o número de finalizações de um atacante e a média de posse de bola de uma equipe, são dados prosaicos em palestras de treinadores e programas de TV, blogs ou jornais. O comentarista da rádio CBN Gabriel Dudziak recorre à tecnologia para superar a barreira da falta de imagem no meio de comunicação em que trabalha. No começo das transmissões, por meio de um aplicativo, faz o desenho tático dos times e divulga a ilustração em seu Twitter para facilitar o entendimento dos ouvintes. “Tento passar o que o técnico traçou para ganhar o jogo. É mais difícil, mas procuro usar termos simples”, diz.
Desde 1992 com uma coluna sobre tática, Paulo Vinícius Coelho, o PVC, pode ser considerado o precursor desta geração de profissionais ávida por conhecimento técnico e por dissecar o jogo por meio de dados e a explicação de esquemas táticos. Faz fichas técnicas de todas as partidas dos campeonatos Paulista, Carioca, Brasileiro e Liga dos Campeões da Europa. Além disso, assiste a cerca de 20 jogos por semana por necessidade do trabalho e para treinar o olhar. Aos 48 anos e mais de 20 de atuação, PVC faz questão de reconhecer que o debate mais aprofundado sobre futebol ainda pertence a um nicho. “No mundo inteiro, fofoca faz mais sucesso que estudo”, diz. PVC está certo. Comentários sobre transferências de jogadores, brigas entre eles ou frases de efeito em mesas-redondas empolgam mais os torcedores. PVC admite, no entanto, que tem mais espaço hoje para fazer o que gosta do que tinha antes. Ele apresenta um programa dedicado a análises e estatísticas no canal FOX Sports, algo impensável tempos atrás.
Como os times usam cada vez mais dados para planejar como jogar, é essencial traduzir isso para o espectador
Detratores desse modelo, no entanto, consideram essa tendência um modismo, uma chatice. Eles se apegam principalmente ao uso de termos etéreos como “amplitude”, “compactação” e “flutuação” por técnicos e comentaristas durante transmissões de jogos e entrevistas para desdenhar. “Há preconceito de quem ouve e exagero de quem usa. A língua portuguesa é rica e está sempre em crescimento”, diz PVC.  “Mas a gente precisa se fazer entender. Não é porque o Tite usa ‘equilíbrio’ que também vou usar.” Excessos ou modismos à parte, não há como fugir da realidade. Comentaristas como PVC apenas acompanham a evolução do futebol. O uso de dados e estatísticas por clubes europeus para elaborar estratégias e jogadas é antigo e há anos chegou aos brasileiros, com maior ou menor simpatia. Não existe futebol bem jogado, em alto nível, sem isso.
Eduardo Cecconi, jornalista, foi analista de desempenho do Grêmio. Quando criança, frequentou a biblioteca pública perto de sua casa, em Porto Alegre, atraído por uma coleção sobre a história das Copas do Mundo. Como os livros eram em inglês, tinha sempre um dicionário a tiracolo. O que o interessava, na realidade, eram as imagens, principalmente aquelas cheias de setas a representar esquemas táticos. “Gostava tanto que reunia meus botões e dava uma preleção a eles só para desenhá-los num quadro.” Tempos depois, frustrado ao perceber que seus textos sobre dados e táticas não atraíam muitos leitores, em 2012 ele bateu à porta do Grêmio e começou a trabalhar como analista do desempenho das categorias de base. Promovido ao time profissional, trabalhou com técnicos como Tite e Roger Machado, conhecidos pela devoção a números e outros aspectos capazes de medir desempenho e criar planos táticos.
Responsável pelo setor de estatísticas da ESPN Brasil, o ex-analista de desempenho do Corinthians Renato Rodrigues não tem ilusões sobre a antipatia que existe não só entre amantes do futebol, mas também entre profissionais, em relação à análise fria. “Eu tive sorte de trabalhar com o Tite e o Mano Menezes”, diz. “Mas essa não é a realidade dos clubes. Ainda há muita resistência.” Eduardo Cecconi percebeu isso no ano passado. Não se deu bem com Renato Gaúcho, um técnico menos afeito que o antecessor Roger ao setor que analisa o desempenho do time e dos adversários. Renato, ídolo do Grêmio como jogador, como treinador levou o time a vencer a Copa Libertadores da América, após mais de 20 anos, e Cecconi deixou o clube em dezembro.
A tarefa de dissecar o jogo por números e dados ajuda a entender, mas não esgota o futebol. Por sua dinâmica, segue como um esporte dos mais imprevisíveis. Um jogo que envolve de 22 a 28 seres humanos, com suas particularidades e vicissitudes, correndo durante 90 minutos em um campo, fiscalizados por outros três seres humanos, e definido por um placar de poucos pontos está extremamente suscetível ao acaso.
A seleção alemã campeã na Copa de 2014 – sim, aquela do 7 a 1 – fez extensivo uso de estatísticas e estudos na sua preparação, como qualquer grande equipe. Uma equipe compilou dados diversos de adversários. Os jogadores alemães tiveram acesso a dados que permitiram prever, com base em informações concretas, para que lado o craque português Cristiano Ronaldo costumava driblar em determinada situação. É claro que, se Lionel Messi estivesse em uma noite melhor, a Argentina teria sido campeã e toda a ciência empregada pelos alemães ficaria esquecida. Assim como dados não ganham jogos, sozinhos não fazem uma transmissão, que precisa de carisma e talento. É por ser assim, suscetível à ciência e ao acaso de forma equivalente, que o futebol é apaixonante.









terça-feira, janeiro 30, 2018

Quanto se paga para assistir futebol no Brasil

Por
 Matheus Pellizer / Por Bruno Martinelli


A temporada 2017 acabou e mais de 15 milhões de ingressos foram vendidos no Brasil. Mais de 500 milhões de reais foram arrecadados em bilheteria, isso considerando os 60 principais times do país (Séries A, B e C do Brasileiro).
O Jogada do Marketing traz agora um estudo realizado pela La Sette sobre quanto cada torcedor pagou para assistir seu time do coração. Para isso, serão apresentados os tickets médios de cada torneio e dos principais times do Brasil, além de apresentar o valor médio do ingresso em cada estado.
Entre os times, Palmeiras e Flamengo foram as equipes com o ingresso mais caro, com cerca de R$ 61 por ingresso. Por outro lado, o torcedor do Oeste pagou somente R$ 7 por ingresso, uma diferença de R$ 54.
Algumas curiosidades chamam a atenção: o Luverdense, time que jogou a Série B do Brasileiro e caiu para a Série C, tem o nono ingresso mais caro do Brasil, enquanto o América-MG, campeão da Série B, tem o quarto ingresso mais barato. O Vitória é o clube com o ingresso mais barato entre os times da Série A.


Entre os torneios, a Libertadores teve o ticket mais caro, com média de R$ 55 por ingresso. Enquanto o campeonato estadual de Brasília foi o mais barato, com R$ 7 por ingresso. Vale ressaltar que para chegar aos números de Libertadores e Sul-Americana, foram considerados somente os jogos de times brasileiros como mandantes.
O principal campeonato nacional, a Série A do Campeonato Brasileiro, teve somente o sétimo ingresso mais caro do Brasil, atrás de Libertadores, Sul-Americana, Copa do Brasil, Paulista, Gaúcho e Carioca. Outra curiosidade é a Série C do Brasileiro, que tem um ingresso mais caro que a Série B.


Entre os estados, o Rio de Janeiro tem o ingresso mais caro, R$ 44 por ticket, enquanto Brasília tem o mais barato.


A curiosidade aparece quando cruzamos os números dos campeonatos estaduais com o valor do ingresso por estado (somando as demais competições).
A maior diferença fica nos estados de Mato Grosso e Pernambuco. Enquanto o ticket médio do campeonato mato-grossense é de R$ 16 por ingresso, somando os demais campeonatos o número aumenta para R$ 26 por ingresso. Grande responsabilidade por esse aumento é do Luverdense, que tem um dos ingressos mais caros do Brasil.
O campeonato Pernambucano teve um ticket médio de R$ 19 por ingresso, e o número caiu para R$ 8 por ingresso quando somado as demais competições. O Salgueiro é o maior responsável por derrubar esse número.


Podemos dizer que o ingresso no Brasil custa em média cerca de R$ 34 por jogo. Tendo em vista que os times fazem aproximadamente entre 3 e 4 jogos em casa por mês, pode-se concluir que o torcedor gasta mais de R$ 100 por mês somente com ingressos, sem falar em transportes, alimentação e tudo o que envolve uma partida de futebol.
Em um país onde a renda per capita é de R$ 1.200 e o salário mínimo é de R$ 937, talvez a conta esteja um pouco alta para o bolso do brasileiro, pois cerca de 4% do salário mínimo seria destinado a UM ingresso de futebol no Brasil.
Em 2017, a página ‘O Contra-Ataque’ publicou um infográfico com a relação salário mínimo x ingresso popular em alguns países.


Fazer futebol no Brasil não é barato, mas é o torcedor quem deve pagar essa conta? Ou cabe aos clubes criarem estratégias e formas de deixar o jogo mais barato para o torcedor? O futebol é um esporte popular e não pode tirar o povo das arquibancadas.
Todos os números foram retirados dos sites SrGoool.com e GloboEsporte.com.

George Soros diz que Facebook e Google estão condenados

O presidente da Soros Fund Management, George Soros fala durante palestra no Forúm Econômico Mundial, em Davos (Suiça). O investidor se desfez no 4º trimestre de 60% dos papéis da estatal brasileira Petrobrás. *** Georges Soros, Chairman of Soros Fund Management, speaks during the session 'Recharging Europe' in the Swiss mountain resort of Davos January 23, 2015. More than 1,500 business leaders and 40 heads of state or government attend the Jan. 21-24 meeting of the World Economic Forum (WEF) to network and discuss big themes, from the price of oil to the future of the Internet. This year they are meeting in the midst of upheaval, with security forces on heightened alert after attacks in Paris, the European Central Bank considering a radical government bond-buying programme and the safe-haven Swiss franc rocketing. REUTERS/Ruben Sprich (SWITZERLAND - Tags: BUSINESS POLITICS) ORG XMIT: CVI1880

DO "WASHINGTON POST"

George Soros, filantropo bilionário e grande doador de verbas para causas progressistas, previu na quinta-feira (25) que regulamentação e impostos em breve destronarão o Facebook e o Google, descrevendo as grandes empresas do setor de tecnologia como poderosos monopólios que prejudicam pessoas, a inovação no mercado e a democracia.

Em um discurso feroz e de tema ambicioso, feito durante um jantar no Fórum Econômico Mundial de Davos, Soros aplaudiu a fiscalização reforçada da União Europeia aos gigantes da web. Também apelou por mais regulamentação do setor de tecnologia, para aproveitar as reações cada vez mais negativas aos gigantes do Vale do Silício.

"Facebook e Google se tornaram monopólios cada vez mais poderosos, criaram obstáculos à inovação, e causaram diversos problemas dos quais estamos apenas começando a nos conscientizar", disse Soros.

As declarações surgiram em um momento de escrutínio reforçado sobre o setor, por parte das autoridades de Washington e de críticos da tecnologia. Há pressão quanto a diversas questões, sendo a mais importante delas a publicidade on-line, seguida pela difusão de desinformações nas plataformas populares de mídia social.
Em resposta, Facebook e Google declararam que estão abertos a maior fiscalização governamental de suas operações publicitárias. O Facebook foi ainda mais longe, nas últimas semanas, discutindo publicamente o seu papel na sociedade mundial. Na semana passada, o Facebook admitiu em um post que a mídia social pode prejudicar a democracia, em certas circunstâncias.

Soros sugeriu que as autoridades dos Estados Unidos se inspirem nas ações de seus colegas europeus, especialmente Margrethe Vestager, a comissária de defesa da competição da União Europeia, a quem ele descreveu como "nêmese" dos monopólios tecnológicos norte-americanos.

Vestager, antiga ministra da Economia dinamarquesa, e outros dirigentes da União Europeia recentemente adotaram diversas medidas de regulamentação contra importantes empresas de tecnologia norte-americanas.

A União Europeia abriu um processo contra o Google por suposta violação das leis antitruste em seu serviço de buscas, seu sistema operacional para celulares e tablets, e sua plataforma publicitária. Em 2016, as autoridades de defesa da competição ordenaram que a Apple pagasse mais de US$ 15 bilhões em impostos não recolhidos na Irlanda, e o Facebook foi penalizado por diversas agências de proteção da privacidade por violar regras de proteção de dados.

Soros reconheceu que a abordagem europeia é diferente da norte-americana quanto às leis e regulamentos antitruste. Mas suas críticas ao Facebook e Google podem inspirar o Partido Democrata norte-americano, que já expressou ceticismo sobre o Vale do Silício e o mundo mais amplo da tecnologia e telecomunicações.

Em outubro, por exemplo, democratas do Congresso norte-americano, com o notável apoio do senador John McCain, republicano do Arizona, apresentaram um projeto de lei que imporia requisitos de informação mais firmes às plataformas de web que veiculem anúncios políticos.

Os legisladores que propuseram a medida dizem que as regras ajudarão a impedir que a Rússia e outras potências estrangeiras explorem a mídia social para solapar as eleições dos Estados Unidos. E na metade do ano passado, o Partido Democrata divulgou sua nova agenda econômica, intitulada "Better Deal", que inclui aplicação mais firme das leis antitruste e combate aos monopólios empresariais.

Embora Soros costume ser criticado por figuras conservadoras que se opõem aos seus projetos políticos, o ataque dele aos gigantes da tecnologia sublinha a convergência que começa a surgir entre a esquerda e a direita, que passaram a encarar o Vale do Silício como uma influência perversa sobre o país.

"É só questão de tempo para que o domínio mundial dos monopólios norte-americanos de tecnologia da informação seja derrubado", disse Soros. "Davos é um bom lugar onde anunciar que os dias deles estão contados".

Tradução de PAULO MIGLIACCI 

quarta-feira, janeiro 24, 2018

O caminho é difícil

Universidade do Futebol
Muitos meninos sonham em se tornar jogador profissional. Vários deles até chegam às categorias de base, mas será mesmo fácil de se realizar esse desejo da infância e adolescência? Uma análise aprofundada sobre o funil que o futebol produz desde o sub-15 até a categoria adulta, mostra que as probabilidades de concretizar tudo isso não são grandes.
Ao falar com atletas e pais de atletas das categorias de base ou até mesmo adolescentes que querem ser jogador, faço esse exercício:
Na maioria dos times mais estruturados, o elenco sub-15 possui em média 40 atletas, enquanto o sub-17, 20 e profissional têm 30.
No sub-15 e no sub-17 são dois anos de competição e no sub-20, três. Por exemplo, em 2017 jogam:
  • Sub-15: nascidos em 2002 e 2003
  • Sub-17: nascidos em 2000 e 2001
  • Sub-20: nascidos em 1997, 1998, 1999
  • Profissional*: nascidos em 1979, 1980, 1981, 1982, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997 e 1988
*Corinthians como exemplo 20 anos: Pedrinho e Leo Santos (1998) e Danilo (1979)
Se dividirmos o número de jogadores de cada categoria pela diferença de idade, teremos:
Ou seja, quando você está no sub-15, existe em média 20 jogadores do mesmo ano de nascimento que o seu, e no profissional esse número cai para apenas 1,5. Há muitos jogadores nas categorias de base para poucas vagas no profissional.
Esse funil que já é extremamente apertado, está ficando ainda mais competitivo com a maior longevidade dos atletas com o passar dos anos. Hoje, o mais longevo do Brasil é Zé Roberto, que completou 43 anos em julho.
Em 2017, a diferença de idade é a seguinte nos 4 grandes de SP:
  • Santos – 19 anos: Arthur Gomes (1998) e Ricardo Oliveira (1980)
  • Corinthians – 20 anos: Pedrinho e Leo Santos (1998) e Danilo (1979)
  • Palmeiras – 23 anos: Fuzato (1997) e Zé Roberto (1974)
  • São Paulo -  21 anos: Brenner (2000) e Lugano (1980)
Uma outra forma de verificar esse afunilamento é olhando para o número de times. De acordo com o site da FPF, há o seguinte número de equipes disputando cada categoria:
Ao confrontar o número de equipes com a estimativa de diferença de idade do profissional (em média 20 anos), temos:

Por ano de competição, existem 10 vezes o número de times no sub-15 e 17 do que no profissional. Se multiplicarmos por 30 (como média de jogadores por elenco), temos uma estimativa do número de jogadores por categoria. Ao dividir esse número pela diferença de idade nas categorias, temos:
São 1035 jogadores por idade no sub-15 (14 e 15 anos), 1035 jogadores por idade no sub-17 (16 e 17 anos), 730 jogadores por idade (18, 19 e 20 anos) e, veja, 90 jogadores por idade (dos 18 em diante) nos profissionais.
Com o auxílio da matemática, veremos que essa redução do sub-20 ao profissional é drástica, e que há 88% menos vagas entre os adultos por ano de nascimento. Na prática, podemos concluir que em média 1 a cada 11 jogadores do sub-15 e 1 a cada 11 jogadores do sub-17 serão profissionais. Trata-se de uma estimativa, que pode variar: alguns clubes formam melhor que outros, alguns clubes dão mais oportunidades que outros
Vale ressaltar que os exemplos estão concentrados no Estado de Sao Paulo que têm clubes mais estruturados, e que é o maior mercado do Brasil. Acredito que esses números sejam parecidos no restante do país.
Ainda sobre o afunilamento, em São Paulo, houve uma diminuição do número de times nas séries A1, A2 e A3 do campeonato paulista que passaram de 20 para 16 times em cada série. Além disso, há um limite de jogadores inscritos por campeonato que será de 26 jogadores a partir de 2018. Menos times e menos vagas.
Uma força que alguns poderiam dizer que expandem o funil é a exportação de  jogadores, mas isso não é suficiente para absorver todos os jogadores formados, principalmente se levarmos em conta a numerosa população brasileira comparada com outros países de tradição no futebol. Também existe o processo contrário, cada vez maior, de estrangeiros que atuam no futebol brasileiro. Não há limites para contratações, e a presença em partidas foi esticada de 3 par 5 jogadores por cada equipe.
Apesar disso, os times, famílias, empresários e empresas investem muito em questões físicas, técnicas e materiais para os jogadores e quase nada em aspectos humanos e sociais. Investem milhões em equipamentos e treinamentos, mas muito pouco em assistência social, educação e outras questões que iriam ajudar muito mais a grande maioria dos meninos que não se tornam jogadores profissionais bem sucedidos.
Dessa forma, como já mencionado, tem muito jogador de base para poucas vagas para jogador profissional.

Gostaria de deixar algumas considerações, principalmente aos atletas e pais de atletas das categorias de base.
  • O caminho é muito difícil.
  • Ser titular nas categorias de base não é garantia de que será jogador profissional.
  • Não conseguir se tornar profissional não é algo tão grave. Tem que estar preparado para as decepções dentro de um ambiente competitivo e nem sempre justo, como a maioria das profissões.
  • Ter ou não um empresário/agente/intermediário forte não é um fator determinante. Normalmente os agentes buscam os atletas mais promissores porque sabem desse afunilamento.
  • Não subiu para o profissional, não virou, não jogou em tal time ou não passou no teste, muito provavelmente, não é porque não faz parte do esquema do treinador, auxiliar, diretor ou presidente. É porque é difícil mesmo. Infelizmente há um esquema de corrupção para beneficiar jogadores e interessados, mas são poucos casos e, no final das contas, o maior prejudicado é o próprio menino.
  • Não transfira a responsabilidade para outros. Treine mais e se dedique ao máximo, todos os dias.
  • Ser jogador ganhando pouco não compensa. Chegará aos 30 com poucos anos de carreira, muitos de vida e nenhum patrimônio. E sem uma perspectiva de carreira, como os outros que não tentaram ser jogador e já estão trabalhando, formados ou empregados, ou seja, com uma vida profissional fora do futebol.
  • Apesar das dificuldades de se tornar um jogador de futebol profissional bem sucedido, deve-se ressaltar o quão desafiador será lutar pelo seu sonho, mesmo que isso não resulte na meta (sonho) estabelecida. Muitos ganhos poderão vir dessa determinação, necessária para qualquer carreira profissional.
  • Essas crianças e adolescentes não podem ser vistos como fonte de riqueza no futuro. Isso é uma fábrica de frustrações, diferenças entre os familiares e uma inversão de valores. O normal ou natural é os pais educarem e sustentarem a família e não o contrário. Esses meninos irão crescer e terão suas famílias para sustentar. Têm pais que abandonam os empregos e mudam de cidade para viver na dependência do filho.
  • O excesso de transferências dentro das divisões de base também é um risco enorme. Trocar de clube pode ser prejudicial e muitas vezes é uma escolha de curto prazo, que trará dinheiro imediato e limitará o crescimento no futuro. Degrau a degrau, o foco deve estar na transição para os profissionais.
  • Estudar é um caminho indispensável, principalmente porque o futebol de hoje valoriza os jogadores inteligentes dentro e fora de campo. Estudar mais tornará o jovem uma pessoa melhor, e as pessoas mais capazes têm mais chances de sucesso em tudo. Uma parte do sucesso pode vir de um dom. Mas só o trabalho potencializa isso. Isso também vale para o mundo corporativo, na busca de empregos e estágios, assim como para o vestibular das melhores universidades. Tenha um plano B. Se a sua paixão pelo futebol continuar, a cadeia do futebol está crescendo e hoje abrange muitas profissões nas áreas médicas, humanas, sociais e, obviamente, na parte técnica do futebol.
  • Estude inglês, pelo menos, já que o sonho da maioria é jogar no exterior. Prepare-se para ser um jogador melhor e para os muitos anos de vida após a carreira.
  • Valorize os bons professores. A chanceler alemã Ângela Merkel costuma dizer que professores não são pessoas comuns e que pessoas comuns não são professores. Seu treinador/professor pode te ajudar muito. Respeite-o.
  • Cuidado com aproveitadores! Nunca dê dinheiro para time, treinador, empresário, diretor, etc. O time que tem que pagar os jogadores e não o contrário. Os que “compram" isso adiam um problema, porque se já é difícil esse caminho de ser jogador profissional por mérito, imagine se for por interesse?
  • Seu filho está preparado para isso? Vocês pais estão preparados para dar o amparo necessário e o apoio que tem que ser dado? Seus filhos terão muitas dificuldades no clubes, como de relacionamento, alimentação, privacidade, descanso, entre tantas outras. Eles só podem ter vocês de pais. Não estrague isso.
  • O caminho é difícil. Pense bem antes de querer ser jogador e saiba que a competitividade é gigante e que terá que abrir mão da infância, adolescência, e do convívio familiar e dos amigos. Você está disposto a isso, de verdade?
  • Beto Rappa é agente de jogadores desde 2007 (intermediário CBF). Trabalha no futebol desde 2002 quando foi diretor executivo do Paulista e Votoraty. É formado em Administração pela FEA - USP - RP